SIGA A FENEP NAS REDES

FENEP comenta discurso de posse do ministro da Educação

A Federação Nacional das Escolas Particulares (FENEP) vê com otimismo as palavras do ministro da Educação, Camilo Santana, durante o seu discurso de posse na manhã desta segunda-feira (02). Bruno Eizerik, presidente da Federação, destaca alguns pontos da fala do ministro como a priorização da Educação Básica e a alfabetização no tempo certo.

“Ficamos satisfeitos com a priorização da Educação Básica, que mais do que nunca precisa de uma atenção especial”, comenta Eizerik. “A alfabetização na idade certa é uma discussão que a FENEP tem levantado há muito tempo, quando nos posicionamos contra o bloco pedagógico do 1º ao 3º ano – que permite que o aluno seja alfabetizado até o 3º ano do ensino fundamental. Entendemos que a alfabetização deve ocorrer, para a grande maioria dos alunos, no 1º ano do ensino fundamental, como acontece – via de regra – na escola privada e que, infelizmente, não vinha acontecendo na escola pública por uma questão histórica”, explica.

Para os próximos passos, o presidente da FENEP defende a parceria dos ensinos públicos e privados e a existência de um financiamento para Educação Básica. “Esperamos que exista uma parceria do Governo Federal – e dos governos estaduais e municipais – com o ensino privado. Entendemos que não é necessidade de existir uma dicotomia entre o público e o privado e, sim, pensar em um ensino de qualidade”, detalha. “Ficamos satisfeitos quando Camilo Santana fala da retomada que vai ter no Fies, um programa importante para o ensino superior, nós precisamos pensar também em um programa parecido para a Educação Básica”, completa.

Ainda nesta segunda-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva revogou o decreto da nova Política Nacional de Educação Especial, assinada por Jair Bolsonaro em 2020 e suspensa pelo Supremo Tribunal de Justiça (STF). “Foi uma medida importante para dar oportunidade de discutir a Lei de Inclusão da maneira correta, repensando os termos que existem hoje, que ao invés de incluir, exclui o aluno”, comenta Bruno Eizerik.

LEIA TAMBÉM