SIGA A FENEP NAS REDES

Fies preenche 53% das vagas em 2020,mas segue abaixo da meta do MEC

O Ministério da Educação (MEC) divulgou que 53% das vagas do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) foram preenchidas no ano de 2020. De acordo com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), a meta definida para o preenchimento das oportunidades era de 78%, semelhante aos anos anteriores.

O relatório aponta ainda que nos anos de 2019 e 2018, foram preenchidas mais de 80% das vagas ofertadas. Para o diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), Sólon Caldas, a pandemia do novo coronavírus contribuiu para que houvesse menos alunos inscritos no Fies em 2020.

“Tivemos um problema muito forte, a pandemia. Com isso, muitas pessoas tiveram suas fontes de renda prejudicadas. Muitos perderam emprego e tiveram carga horária reduzida e, consequentemente, a redução do salário. O prejuízo econômico que a pandemia trouxe ao país atingiu os alunos que, por sua vez, não tiveram condições ou não quiseram contrair um financiamento com a incerteza do momento”, explica Caldas.

O Fies é o programa do governo federal que tem o objetivo de facilitar o acesso ao crédito para financiamento de cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas aderentes ao programa. Criado em 1999, ele é ofertado em duas modalidades desde 2018, por meio do Fies e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies).

No caso do Fies, os juros do financiamento são zero. Já o P-Fies possui juros variáveis e está voltado a pessoas com renda familiar de até cinco salários mínimos. O estudante só começa o pagamento da dívida após a formatura.

Para concorrer a uma vaga, é necessário que o candidato tenha feito uma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, com média igual ou superior a 450 pontos, e não ter zerado a redação.

(Com informações da Agência Brasil)

Fonte: CNN Brasil

Publicada em: https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/2021/02/06/fies-preenche-53-das-vagas-em-2020-mas-segue-abaixo-da-meta-do-mec

LEIA TAMBÉM