Volta às aulas presenciais em SC: Governo divulga protocolo com uso obrigatório de máscaras e turmas alternadas

O documento está dividido em diretrizes que envolvem condições sanitárias, pedagógicas, gestão de pessoas, transporte e alimentação. Ainda não há previsão de reabertura das escolas.

As aulas presenciais nas escolas de Santa Catarina devem devem ser retomadas de forma gradativa e preferencialmente para os alunos com mais de 14 anos. A possibilidade de turmas alternadas entre estudantes em sala e em casa também foi indicada nos novos protocolos anunciados pelo governo na terça-feira (28). Por enquanto, as aulas seguem suspensas pelo menos até o dia 7 de setembro, de acordo com decreto estadual.

O documento está dividido em cinco diretrizes que envolvem condições sanitárias, pedagógicas, gestão de pessoas, transporte escolar e alimentação. Ainda não há previsão de reabertura das escolas. As aulas estão suspensas desde março após decreto de situação de emergência por causa da pandemia.

Atualmente Santa Catarina tem 73,7 mil casos de Covid-19 e 960 mortes. Das 16 regiões da saúde há 12 em situação gravíssima por causa do coronavírus.

As unidades públicas e particulares devem garantir a validação das atividades não presenciais para o cumprimento da carga horária mínima estipulada para cada etapa e modalidade de ensino. Também devem assegurar as atividades escolares não presenciais aos alunos com especificidades que não poderão retornar presencialmente.

Nos últimos dois meses um grupo formado por entidades, secretárias de Educação e Ministério Público, elaborou no conjunto de regras para garantir a segurança dos alunos.

"Nós teremos também, pelo menos num primeiro momento, uma educação no formato híbrido não presencial. A expectativa é que as escolas recebam esse material e implemente as ações necessárias. Na rede estadual nós já estamos com ações como aquisição de equipamentos, de termômetros, de álcool em gel, de máscaras", disse o secretário de Educação, Natalino Uggioni.

Entre as regras estão:


  • Uso de máscaras descartáveis pelos professores, devendo ser trocadas no fim da aula;
  • Alunos, trabalhadores e demais podem usar a de tecido, com troca a cada duas horas;
  • Será feita a medição da temperatura corporal na entrada da escola. Quem apontar mais de 37,8°C não poderá entrar;
  • Atividades esportivas, como futebol e vôlei serão suspensas;
  • Condutores e monitores que trabalham com o trasporte escolar deverão usar máscara e “face shield”. Eles também terão que verificar a temperatura dos alunos;
  • As escolas terão que substituir o bufê por porções individualizadas;
  • Os horários das refeições, bem como entrada e saída dos alunos serão alternadas;
  • Mesas e cadeiras no refeitório terão distanciamento.

De acordo com o governo, as diretrizes serão passadas aos municípios e a próxima fase deve ser de capacitação dos funcionários. No entanto, o sindicato dos professores tem receios quanto a retomada.


De acordo com com o coordenador Luiz Carlos Vieira, do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina (Sinte-SC), ainda não há condições para o retorno das aulas. Entre os fatores, citados, envolve a própria estrutura que tem as escolas estaduais.

"Muitas entidades, não só a nossa, entendem que poderemos esse ano não retornar devido as condições colocadas", disse.
Um dos pontos tratados por Vieira, está a questão da testagem e também risco de contágio da doença. "A saúde é nossa, não só dos trabalhadores, como também da população. Nós não voltamos enquanto as autoridades técnicas e científicas apontarem as garantias de saúde e o estado nos darem condições. O governo do estado relaxou a situação e empurrou para os municípios a decisão do isolamento e nós vimos aumentar o número de casos e óbitos em Santa Catarina", explica.

Vieira aponta desafios para a implementação do plano proposto pelo governo, tanto em relação à levantamento que envolva o resultado de testagens de profissionais da área e capacitação, quanto em relação ao levantamento de informações sobre os alunos que estão no grupo de risco ou convivem com pessoas que integram o grupo.

De acordo com o presidente do Sindicato da Escolas Particulares de Santa Catarina (Sinepe), Marcelo Batista de Sousa, as unidades de ensino da rede particular estão prontas para a retomada.

"Cabe a cada família decidir com sua autonomia se seu filho vai voltar ou não. Nós temos estrutura, temos protocolos de segurança e saberemos atender àquelas famílias que assim desejarem", explica.

Fonte: G1

Publicada em: https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2020/07/29/volta-as-aulas-presenciais-em-sc-governo-divulga-protocolo-com-uso-obrigatorio-de-mascaras-e-turmas-alternadas.ghtml

SRTVS Qd 701, BLC 2 Centro Empresarial Assis Chateubriand Salas 207 a 213 CEP:70340-906- Brasília DF